6 de outubro de 2013

Fanfic Robsten:desde o primeiro olhar por bellamayrob - Capitulo 105


Bom dia pessoal!
Aproveitar o tempinho que tem o love antes de voltar ao trabalho, infelizmente não dá pra ficar sem trabalhar né
Boa leitura!

AVISO: o capitulo a seguir contém lemons, se continuar lendo tenha consciência disso.


 
Capítulo 105 – Great Days

 

Acordei no outro dia já se passavam do meio dia, Rob continuava dormindo profundamente, resolvi não acordá-lo, era melhor deixar que o corpo dele decidisse quando ele já tivesse dormido o suficiente.

Peguei o notebook e fui checar meus emails, peguei um suco no frigobar e um pacote de biscoitos para ir matando a fome.

Havia um email de John falando que tinha chegado bem em LA e que me buscaria no dia 15 quando eu chegasse, havia outro email do Taylor falando que mais um amigo dele iria também no festival, ele estava muito ansioso.

Resolvi checar o Google, Rob sempre dizia pra eu parar com isso que não fazia bem, porque as pessoas inventavam muitas coisas e isso só me deixava chateada, eu estava tentando parar, mas eu queria saber se alguém tinha reparado no meu presente e saber o que teriam falado a respeito.

A maioria das noticias só falavam sobre eu ter ido passar meu aniversário com Rob, talvez ninguém tenha notado e era melhor assim mesmo.

- Já não te disse parar com isso amor – Rob beijou meu pescoço e eu me assustei.

- Nem te ouvi chegar.

- Claro estava distraída procurando nossos nomes no Google – ele puxou uma cadeira e sentou do meu lado.

- Eu estava checando meus emails e resolvi ver se alguém tinha notado o meu novo presente.

- Alguém falou algo?

- Não, melhor assim – eu disse me levantando e sentando no colo dele – E então dorminhoco, descansou?

- Uau eu dormi pra caramba mesmo – ele riu – Já são 3 da tarde, porque não me chamou?

- Você estava muito cansado amor, merecia descansar o quanto quisesse – eu beijei seu queixo e deitei a cabeça em seu ombro.

- Estou morrendo de fome, o que acha de sairmos pra comer algo?

- Ah amor eu prefiro ficar aqui, os paparazzis já sabem que eu estou em Londres, e eu quero descansar disso.

- Tudo bem, mas e então o que vamos comer?

- O que acha de você ir ao supermercado? Eu podia cozinhar pra nós dois.

- Eu vou adorar amor, mas até eu ir ao supermercado e você cozinhar eu já desmaiei de fome.

- Que dramático – eu ri – Eu poderia preparar uma omelete pra você, mas só tem biscoitos, refrigerante e suco aqui. E eu achei escondido na sua mochila - eu me levantei e fui até o armário. – Um pacote de M&Ms.

- Fui pego – ele riu.

- Eu já te disse pra diminuir nisso aqui, é importante pra sua saúde.

- Eu sei amor, mas eu sou viciado nisso.

- É sério amor, não é bom ingerir uma alta dosagem de açúcar.

- Eu sei que é sério, mas não me dá bronca agora não – ele foi até mim e passou os braços por minha cintura. – Eu vou tomar um pouco de suco, comer uns biscoitos e vou ao supermercado, assim pelo menos eu posso aguentar esperar.

- Sem M&Ms hoje – eu guardei o pacote de novo.

- Tudo bem – ele balançou os ombros – Eu nem queria mesmo.

- As vezes você parece um meninão – eu disse passando os braços em volta do seu pescoço – Mas ainda assim eu amo você.

- Ama muito? – ele perguntou se abaixando e me beijando.

- Muito – eu respondi entre seus lábios.

- Então me deixa comer M&Ms hoje amor.

- Ah Rob, já disse que não – eu o soltei – E é para o seu bem.

- Eu sei, não vou insistir mais – ele segurou minha mão – Mas venha aqui, eu ainda não matei a fome que eu estava do seu beijo – ele riu e me beijou.

...

Rob foi ao supermercado e trouxe várias coisas não só pra hoje, mas pra todos os dias que ficaríamos aqui. Ele estava assistindo a um jogo enquanto eu terminava de preparar nosso almoço/jantar. Eu perdi a conta de quantas vezes ele veio saber se estava pronto e tentou beliscar algo.

- Rob – eu chamei – Esta pronto.

- Ah finalmente – ele apareceu já pegando o prato pra se servir.

- Você esta com tanta fome assim amor?

- Morrendo – ele começou a se servir – O cheiro esta maravilhoso baby, tenho certeza que o gosto deve estar melhor ainda.

- Assim eu espero – eu me servi e comecei a comer, eu ainda estava com fome, mas o Rob estava com muita fome, ele estava comendo muito rápido - Comer rápido faz mal.

- Eu sei. Mas tudo esta tão bom. – eu ri do desespero dele pra comer.

- Não vou mais chamar sua atenção hoje, desse jeito fico parecendo que sou sua mãe e não sua mulher. – o celular de Rob tocou no quarto – Deixa que eu atendo pra você.

- Obrigado amor – ele disse quanto eu pegava o celular e via o nome de Tom escrito na tela.

- Oi Tom – eu atendi a ligação.

- Você até atende o telefone dele agora chaveirinho? – ele riu – Fala sério.

- Nós estamos almoçando/jantando e ele esta comendo como um louco por isso atendi, chato.

- Vai ficar em Londres até quando?

- Até dia 14, logo você terá o Rob todo pra você.

- Você falando desse jeito ficou uma coisa meio gay.

- Deixa de ser bobo Tom, e então que dia você vai vir aqui me ver, porque tenho certeza que esta morrendo de saudades de mim.

- Claro, claro – ele disse irônico – Brincadeira, vocês não querem ir a um Pub amanhã?

- Bem... Rob e eu tivemos conversando e não estamos querendo sair esses dias, como me descobriram aqui os paparazzis vão ficar em cima de nós. Porque você não vem aqui, chame os outros também.

- Vou ligar pro Marcus e pro Sam, o Bobby esta viajando a trabalho.

- Tragam as bebidas, nós esperamos vocês aqui amanhã a noite.

- E você vai cozinhar pra todos?

- Pode ser, eu invento alguma coisa aqui.

- Então esta combinado.

- Não quer falar com o Rob?

- Ah amanhã a gente conversa, deixa ele comer em paz, eu só queria era chamar vocês pro Pub mesmo.

- Então tá ok, tchau.

- Tchau chaveirinho.

Voltei pra cozinha e encontrei as panelas completamente vazias, só a comida que havia no meu prato havia sobrado.

- Robert você vai passar mal – eu disse.

- Eu disse que estava com fome.

- Você deve estar é com um monstro ai dentro de você – eu disse me sentando e tratando de comer logo a minha comida antes que ele também atacasse meu prato.

- Quem era?

- Tom, nos chamou para ir a um Pub amanhã, mas eu disse que nós estávamos querendo ficar mais quietos esses dias, então chamei eles pra virem pra cá, ele ia chamar o Marcus e o Sam, Bobby esta viajando e o mais importante eles vão trazer as bebidas.

- Boa ideia a sua – ele se levantou e foi colocar seu prato na pia – Vou pro quarto deitar um pouco, vou ficar te esperando.

- Comeu tanto que nem consegue ficar em pé – eu disse rindo e ele fez uma careta pra mim.

...

POV ROB

A Kris tinha razão eu tinha exagerado, eu estava completamente cheio, mas quem mandou ela cozinhar tão bem? A culpa não era minha. Liguei a tv e fiquei ali deitado quando ela entrou no quarto sorrindo e deitou ao meu lado colocando a cabeça no meu braço e enroscando as pernas na minha.

- Coloca um filme amor, não gosto de jogos – ela pediu. Se fosse outro homem teria simplesmente ignorado, mas eu era um homem apaixonado incapaz de recusar qualquer pedido da minha mulher, ainda mais quando ela pedia assim agarradinha em mim toda carinhosa.

- Vamos ver o que esta passando – eu peguei o controle e comecei a passar pelos canais de filmes. – Que tipo de filme você quer assistir?

- Ah não tenho muita preferência – ela disse beijando meu peito – Você escolhe.

- Eu acho que esse é bom – eu parei em um drama que estava passando.

- Já assistiu? – ela perguntou puxando os pêlinhos do meu peito, ela tinha essa mania.

- Não, mas olhando aqui – eu apertei o botão no controle e li a sinopse – Realmente parece interessante.

- Sinopses podem enganar – ela riu.

- Vamos dar uma chance a este – eu ergui seu queixo e lhe dei um beijo.

...

O filme realmente não era bom, Kris tinha toda razão quando disse que as sinopses podem nos enganar, nos primeiros 30 minutos de filme eu estava morrendo de tédio. Kris continuava atenta, mas eu sabia que ela estava gostando tanto quanto eu. Comecei a deslizar meus dedos por suas coxas e subindo até a sua barriga.

- Esta gostando do filme? – eu perguntei mordiscando a orelha dela.

- Um pouco – ela respondeu respirando fundo enquanto minhas mãos deslizavam por seu corpo nos lugares que eu sabia que lhe fazia enlouquecer.

- O que acha de desligarmos essa tv? – eu comecei a beijar seu pescoço e seu ombro.

- O filme ainda não acabou – ela murmurou com um sorriso sacana.

- O filme não é legal mesmo – eu disse abrindo os botões de sua blusa e beijando sua barriga.

- Sabia que fazer atividade depois de comer muito pode dar congestão – ela disse prendendo o riso.

- Não vem com isso não amor.

- Estou falando sério – ela deu um riso sacana.

- Você esta me dispensando? – eu fiquei em cima dela, minha testa colada na sua, meus olhos presos aos seus. – Diz amor – eu insisti.

- Como eu poderia dispensar você? – ela passou os braços ao redor do meu pescoço e começou a acariciar minha nuca. – Eu sempre quero você – ela entrelaçou as pernas ao redor da minha cintura. – Muito, é quase que incontrolável.

- Eu gosto quando você fica sem controle – eu ri e beijei a ponta do seu nariz.

- Você sempre tarado – ela riu e me puxou para um beijo voraz, não demorou muito eu estava nela, e nós proporcionando um ao outro o completo amor e prazer.

...

POV KRIS

Passamos o dia seguinte todo trancafiados dentro do flat, Rob tocou e cantou durante todo o dia, ele havia composto algumas músicas novas e eu aprovei todas. Algumas eu já tinha ouvido, pois estavam no cd que ele havia me dado, e eu já tinha passado todas pro meu i-phone.

- Você acha que talvez nós não estejamos incomodando os outros hóspedes? – Rob perguntou quando acabou de tocar uma musica do Marcus.

- Eles deveriam se sentir privilegiados e não incomodados – eu ri.

- Estou falando sério amor, estou agarrado nesse violão o dia todo.

- Isso é verdade, você poderia desgarrar desse violão e vir me agarrar porque eu vou embora amanhã e ele vai continuar ai – eu disse tirando o violão da sua mão e o colocando sobre a cama e sentando em seu colo.

- Já esta carente? – ele perguntou beijando o meu pescoço.

- Sim, eu sofro prematuramente quando vou ficar longe de você – eu o abracei forte – Esses dias foram tão bons.

- Prometo que não vou demorar a ir pra LA, to doido pra conhecer nossa casa.

- Você vai adorar amor, vou ver se depois que eu voltar do festival, arrumo algumas coisas lá.

- Vai ficar la sozinha esses dias? Não é perigoso por ser afastado? E se você passar mal ou sei lá.

- Calma, respira – eu afaguei seu rosto – Eu quero passar a primeira noite lá junto com você, então só vou organizando umas coisas, mas vou continuar na casa dos meus pais.

- Vamos fazer uma bela estreia na casa – ele riu e me deu um beijo – Espero que tenhamos muita paz e tranquilidade lá.

- Nós vamos ter amor – eu lhe beijei – Agora você podia cuidar um pouquinho de mim, porque daqui a pouco os meninos devem estar chegando.

- Eu vou cuidar de você sim minha linda – ele me carregou no colo e nos levou em direção ao quarto.

...

- Esse banho estava uma delicia – Rob me abraçou por trás. Eu estava em frente ao espelho penteando o meu cabelo.

- Ah só de pensar que amanhã eu vou estar a quilômetros de distância daqui dói – eu disse apertando mais seus braços em volta de mim – Já estou com saudades.

- Eu também – ele beijou meu rosto – Quem vai ficar me xingando por comer M&Ms? – ele riu.

- Rob, por favor para de comer um pouco aquilo – eu disse.

- Vou tentar prometo – ele beijou meu pescoço – Agora Sra. Pattinson vai logo trocar de roupa porque os caras devem estar quase chegando e eu não quero ninguém de olho na minha mulher só de toalha.

- Pode deixar que eu vou trocar de roupa assim que você me soltar.

- Chata – ele me soltou e eu me virei de frente pra ele.

- Você que é um chato ciumento – eu lhe dei um beijo e fui trocar de roupa.

...

- Foi daqui que pediram isso? – Tom perguntou quando abrimos a porta, ele, Marcus e Sam carregavam cada um várias caixas de Heieneken.

- Sim – Rob pegou uma caixa na mão de Tom.

- Agora que já fez entrega você pode ir embora – eu disse brincando com Tom.

- Ah claro que eu vou – ele riu e me abraçou – Eu também senti sua falta.

- Com certeza de todos os amigos do Rob você é o mais chato – eu disse e depois abracei Marcus e Sam.

- E eu o mais legal, claro – Sam disse rindo.

- Bem definir o mais chato é fácil, mas o mais legal é difícil – eu disse.

- Parabéns atrasado Kris – Marcus me abraçou.

- Obrigado. – eu respondi meio sem graça, eu nem sabia que eles faziam ideia de quando era meu aniversário, mas com certeza Rob tinha comentado.

Nós passamos a noite tocando, conversando, comendo e bebendo uma típica noite daquela turma de britânicos.

Eu me divertia às vezes mais com eles do que com os meus antigos amigos, eles realmente tinham me acolhido.

- A noite foi ótima, mas acho que chegou a nossa hora – Marcus foi o primeiro a se levantar. – A Kris vai embora amanhã e o Rob deve estar querendo aproveitar a ultima noite – eles riram e minha bochechas ficaram vermelhas.

- Vocês a deixam constrangida assim – Rob riu e me abraçou.

- Normal – eu disse rindo - Cuidem do Rob aqui e nada de levarem ele pra sacanagem – eu pedi.

- Eu sou comprometido – Marcus foi o primeiro a se defender – Eu não vou pra esse tipo de coisa.

- O único que eu posso confiar – eu disse.

- Até parece Kris, pode confiar no nosso amigo – Sam disse.

- A solidariedade masculina – eu disse rindo.

- Agora vamos logo, porque o Rob já esta começando a nos olhar com uma cara feia. Daqui a pouco nos expulsa daqui – Tom disse.

- Você é definitivamente um babaca – Rob disse rindo.

Nos despedimos e os garotos foram embora.

- A noite foi bem divertida, eu realmente adoro seus amigos, já os considero meus amigos também – eu disse pra Rob enquanto eu ia pro quarto e colocava minha roupa para dormir, que era apenas uma camisa do Rob.

- Eles também te consideram uma amiga, pode ter certeza – ele ficou me fitando encostado na porta os braços cruzados contra o peito.

- Algum problema? – eu disse olhando pra mim e ao meu redor.

- Sim – ele respondeu e respirou fundo.

- Qual?

- Você vai embora amanhã, esse é o problema. Eu não quero te deixar ir.

- Vou contar os dias pra você ir pra LA.

- Que tal ligarmos pro Taylor e dizer que você desistiu de ir no festival? – ele colocou seus braços ao redor da minha cintura.

- Isso não é justo Rob, você  sabe disso.

- Sim, eu sei. Foi só uma brincadeira, que podia ser verdade claro – ele deu aquele sorriso torto.

- Porque ao invés de ficar ai tentando arrumar uma maneira de eu ficar, não trata de aproveitar o tempo que temos juntos – eu comecei a abrir os botões de sua camisa e a beijar seu peito. – Eu quero aproveitar cada minuto.

- Eu também – ele me puxou pra ainda mais perto dele e me beijou.

...

POV ROB

Acordei com uma ligação de Lizzy, Kris ainda dormia profundamente. O voo dela só sairia a tarde, levantei devagar pra que ela não acordasse e desci para o estacionamento. Lizzy iria me emprestar o carro pra que eu levasse Kris ao aeroporto, eu fazia questão disso, ela dizia que podia ir de taxi, mas eu me recusei.

- Aqui esta Claudia – ela me entregou as chaves – Leva o carro de noite pra mim.

- Obrigado Lizzy, como você vai voltar?

- Já tem um taxi la na porta me esperando, manda um beijo pra Kris por mim.

- Pode deixar, a noite eu passo lá pra deixar o carro.

- Aproveita e fica pro jantar que a D. Claire vai adorar, tchau.

- Tchau – eu beijei seu rosto e ela foi embora e eu subi pro flat.

Kris ainda estava dormindo toda encolhida, deitei ao seu lado na cama e instantaneamente ela se agarrou em mim, pensei que ela tinha acordado, mas ela continuava dormindo.

Ela era tão linda, eu a amava tanto, lembro até hoje da primeira vez que nos vimos.

 Ela estava ali no apartamento da Cath debruçada sobre a janela, a cabeça baixa, Cath a chamou e ela se virou pra mim, e naquele momento ambos ficamos vidrados, nos comunicando apenas com um olhar, nos apaixonando naquele primeiro olhar, eu tinha decidido ir fazer aquele teste por causa dela, e vê-la naquele momento só aumentou a minha convicção de que eu estava fazendo o certo.

“- Esse é Robert Pattinson - Cath disse nos apresentando, estiquei a mão para lhe cumprimentar. Meus olhos presos nos seus.

- Prazer, Kristen Stewart. Ou pode ser só Kris mesmo – ela disse apertando a minha mão e olhando profundamente em meus olhos. Naquele momento como num clique na minha cabeça eu sabia que era com ela que eu queria ficar.

- O prazer é todo meu – eu disse sem  soltar a sua mão ficamos nos encarando por alguns segundos, milhões de coisas passando na minha cabeça, eu estava começando a entender meu pai, entender o que ele sentiu quando viu minha mãe a primeira vez e o sentimento que os mantinha apaixonados até hoje.”

- Bom dia meu amor – Kris disse beijando meu pescoço me tirando daquele momento nostálgico.

- Hã... bom dia – eu lhe beijei.

- No que você estava pensando? – ela perguntou.

- No dia em que nos conhecemos na casa da Cath e no quanto eu fiz bem em ir fazer aquele teste – eu ergui seu queixo – Eu conheci a pessoa mais importante da minha vida, acho que sou um cara de sorte afinal.

- Claro que você é – ela riu e me beijou. – Que horas são? Tenho que arrumar minhas malas ainda. – peguei o celular ao lado da cama.

- 11 da manhã.

- Tenho que estar no aeroporto as 15:00, melhor eu levantar logo – ela tentou se levantar, mas eu a abracei forte a impedindo de se mover – Amor eu tenho que levantar.

- Não pode ficar nem mais 20 minutinhos deitada abraçadinha comigo? – eu fiz o bico que sabia que ganhava as paradas.

- 10 minutos – ela disse se esticando e me dando um selinho.

- 15 e negócio fechado – eu ri e afaguei seu rosto.

- Negócio fechado – ela riu – Você sabe que eu não resisto a esse biquinho né?

- Tenho que usar todas as minhas armas – eu me defendi.

- Eu tenho muita sorte de ter o homem mais lindo do mundo – ela afagou meu rosto e eu beijei a sua mão.

- Nós dois temos sorte – eu disse enquanto ela continuava acariciando meu rosto e eu ficava ali só aproveitando.

- Amor você quer mesmo contar pro Tom, Marcus, Sam e Bobby da nossa escapadinha pra Vegas? – ela perguntou rindo.

- Só quando você também quiser amor – eu respondi, até eu mesmo não sabia como seria a reação dos meus amigos, será que eles me achariam louco?

- Será que eles vão te apoiar?

- Acho que no inicio eles podem me achar maluco, mas nós somos como irmãos, com certeza depois eles vão reclamar de não terem sido convidados – eu ri – Agora eu acho que quem não terá uma reação tranquila serão os seus irmãos, principalmente o Cameron.

- Yeah, acho que ele vai pirar um pouquinho.  Mas ele vai ter que se acostumar com a ideia.

- Enquanto você estiver em LA sem mim, vai pensando em qual a melhor forma de nós contarmos pra eles.

- Vou fazer isso - ela beijou meu peito – Vou sentir saudades daqui.

- Do flat?

- Não Rob, daqui – ela me abraçou forte – Eu me sinto tão bem quando estou simplesmente abraçada assim com você, tão segura.

- Fico feliz em saber que se sente assim meu amor – eu beijei sua testa – Eu também gosto da sensação de você aqui assim, simplesmente nós dois, esquecendo o resto do mundo.

- Mas o resto do mundo existe e nesse momento eu tenho que me preparar para voltar pra ele – ela me deu um beijo e se sentou – Te amo.

- Também te amo – eu disse e a puxei pra cima de mim e lhe beijei.

- Tenho que ir mesmo agora Rob.

- Eu sei – eu disse vencido e a deixei levantar.

...

- Pronto, aqui estamos – eu parei o carro em um lugar mais afastado no estacionamento do aeroporto.

- Amor se você ficar com essa cara de chateado, eu vou acabar me sentindo pior do que já estou de estar indo embora.

- Eu não estou com cara de chateado, só não estou pulando de alegria.

- Daqui uns dias você vai, certo?!

- Certo.

- Então nós já ficamos muito mais tempo separados que isso.

- Eu sei, mas a cada dia que passar fica pior.

- Eu não te amaria tanto se você não fosse assim tão dramático – ela afagou meu rosto – Também já estou com saudades britânico.

- Nem parece.

- O que eu tenho que fazer pra te provar que antes mesmo de partir eu já estou morrendo de saudades de você?

- Ficar era uma boa opção, mas já que isso não vai acontecer – eu disse e ela riu – Pode pelo menos me dar um beijo que me convença disso.

- Meu britânico – ela riu e começou a me beijar, um beijo calmo que foi se tornando voraz, nem sei quanto tempo ficamos nos beijando, sei que quando paramos já não havia ar nenhum em meus pulmões.

- Te convenci? – ela perguntou rindo, a respiração alterada.

- Com toda... certeza – eu ri.

- Tenho que ir agora, se cuida – ela me abraçou – Juízo aqui em Londres.

- Juízo também em LA e naquele festival e já sabe o que tem que fazer quando chegar.

- Yeah, tenho que ligar para o Sr. Preocupação.

- Exatamente. Te amo baby.

- Também te amo muito – ela me deu mais um beijo. – Agora eu tenho que ir ou eu desisto e fico aqui com você.

- Nem disse nada dessa vez – eu ri e a puxei pra mais um beijo.

- Te amo muito – ela disse e saiu do carro – Tchau - ela acenou e fechou a porta do carro.

- Baby – eu abri o vidro do carro, não havia ninguém por ali mesmo. Havia umas pessoas, mas distantes o suficiente pra nem saberem quem estava ali. Ela se virou de volta pra mim – Te amo.

- Ah que droga – ela voltou e me deu mais um beijo pela janela do carro e depois saiu quase que correndo, como ela mesmo disse se demorasse mais um pouco ela desistia e ficava ali comigo. 

Vomitando arco íris com esses dois *---* Quarta tem capitulo pra vocês!

1 Comentários:

LAV RIBEIRO disse...

é tão lindo

Postar um comentário

Regras dos Comentários:

*Não incluir links de sites, fotos, e videos nos comentários.
*Não será permitido nenhuma ofensa a atores, atrizes e afins.
*Discusões e ofensas ao site irão direto para spam.

Usem o bom senso. Qualquer outro limite ultrapassado, acarretará em você indo para o spam.

Obrigada desde já ao cumprimento das regras.

Equipe Cullen Family Brasil.